Please reload

Posts Recentes

A IMPORTÂNCIA DE MONITORAR GASES

November 13, 2018

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

A IMPORTÂNCIA DE MONITORAR GASES

13 Nov 2018

 

Existem na atualidade diversos gases contabilizados e estudados. O registro desses gases é através do número CAS - Chemical Abstracts Service (Serviço de resumos químicos), que é uma identidade, assim como o RG identifica pessoas o CAS identifica os gases.

 

Em nosso dia-a-dia podemos estar expostos a gases que podem ser nocivos a saúde em variadas situações. Em atividades industriais, emergências químicas em áreas urbanas (como tombamento de veículo com produtos químicos em via pública) e até dentro de nossas casas, com vazamento do gás de cozinha ou numa simples limpeza de uma caixa d´água/cisterna.

FIQUE POR DENTRO: Máximo SMS participa no Ministério do Trabalho para a criação do Guia Básico do Trabalho em Espaços Confinados

 

 

Dependendo da sua composição química os gases podem ser sinônimos de extremo perigo ao ambiente e a saúde humana.

 

Geralmente os gases apresentam variados riscos associados à sua composição, por isso precisamos ficar atentos ao seu primeiro risco, monitorando permanentemente.

 

Podemos considerar como primeiro risco, três tipos mais comuns:

 

  •  Ser tóxico – gases, quando tóxicos, em pequenas concentrações reagem negativamente em nosso organismo.

  • Ser Inflamáveis – Podem facilmente pegar fogo no ambiente.

  • Ser Asfixiantes Simples – Pequenas concentrações não representam dano no nosso organismo, porém, em alta concentração ele desloca o oxigênio nos impedindo de respirar

 

Estudar e monitorar gases precisa ser uma tarefa cautelosa, pois nem sempre os riscos se apresentam de maneira óbvia e simplista como imaginamos. Vamos usar como exemplo a gasolina, considerada como um líquido inflamável, costumamos monitorar o seu risco com um sensor catalítico que possui apenas a capacidade de monitorar a sua inflamabilidade, só que os vapores liberados por ela, muito antes de inflamar terão efeitos tóxicos que só poderão ser monitorados por um sensor especial chamado PID (detector de fotoionização), este sensor faz o monitoramento da concentração total de COV – Compostos Orgânicos Voláteis, que também monitora mesmo em baixas concentrações e com boa resolução os hidrocarbonetos aromáticos, altamente nocivos à saúde.

 

 

Em função de sua capacidade de detectar uma grande quantidade de substâncias químicas, o PID deve ser utilizado na caracterização e no reconhecimento de uma ampla variedade de compostos orgânicos e inorgânicos, presentes ­na área monitorada, na forma de gás ou vapor. São especialmente indicados para os trabalhos de investigação, emergência química, espaços confinados, trabalhos em postos de gasolinas e etc, informando onde tem mais ou menos concentração para podermos delimitar a área de risco.

 

É fundamental reconhecer os riscos dos gases para poder monitorar corretamente e evitar acidentes. Nenhum tipo de sensor é perfeito para todas as aplicações, a chave para o sucesso é entender o ambiente de monitoramento e os benefícios e limitações específicos do sensores selecionados e procedimentos que garantirá seu uso perfeito.

 

 

LEIA TAMBÉM: Monóxido de carbono de carro sem chave mata 28 pessoas nos EUA.

 

Augusto Santos

 

Técnico em Segurança do Trabalho, MBA em Gestão Empresarial – FGV, experiência de mais de 10 anos na gestão e inventário de espaços confinados, Convidado para subsidiar tecnicamente perícias envolvendo acidentes fatais na área, especialista em detecção de gases e proteção respiratória, promovendo diversos eventos e participando de capacitações com certificação internacional, participante de reunião do comitê ABNT/CEE-225 - NBR 16.577, Diretor Comercial da Máximo SMS.